Um milagre chamado globalização

Em 1990, cerca de 37,1% da população mundial vivia na pobreza absoluta, definida como 1,90$ diários (dólares internacionas) de 2011, ajustados pela Paridade do Poder de Compra (PPP) e pela inflação. Hoje, 26 anos depois, apenas 9,6% da população do planeta se encontra nessa situação. Em números absolutos, tínhamos 1,95 bilhão de pessoas na pobreza absoluta em 1990. Agora, em 2016, temos apenas 702 milhões de pessoas vivendo assim. Significa que mais de 1 bilhão de pessoas foram alçadas ao consumo, à prosperidade e ao desenvolvimento, no espaço de uma geração.

A verdade é que nunca fomos tão ricos quanto hoje, e nunca houve tão pouca pobreza. Graças à globalização, ao aumento do comércio internacional e à liberalização dos mercados, o mundo enriqueceu rapidamente e isso permitiu o aumento da expectativa de vida das pessoas, como mostra o gráfico abaixo.

expectativa

 

Segundo estimativas do Banco Mundial, se o PIB per capita global crescer 4,4% nos próximos anos, chegaríamos a 2030 com apenas 3% da população mundial em pobreza absoluta. Tudo isso pode ser definido como “o milagre da globalização”.

É provável que vejamos, ainda neste século, o fim da pobreza absoluta em escala global. Mas isso só será possível com reformas que impulsionem ainda mais o crescimento; com a garantia de educação e saúde de qualidade para todos, além de saneamento básico; e com a promoção da igualdade de oportunidades, condição necessária para que os resultados atingidos pelos indivíduos sejam frutos de seus talentos, esforço e capacidade de geração de valor, não de seu background.

São essas medidas que permitirão um crescimento mais robusto da produtividade, ganhos de eficiência e, consequentemente, mais prosperidade. A competição em nível global só tem a beneficiar a todos, com a geração de mais renda e a distribuição mais equânime dessa renda. Foi ela quem promoveu esse milagre, e é dela que virá o crescimento futuro. 

gráfico pobreza

 

Países que abraçaram a globalização, como Coreia do Sul, Chile, Singapura, Japão, entre outros, experimentaram rápida melhoria da qualidade de vida de suas populações, e surfaram uma onda de crescimento que, no passado, sequer foi sonhada. Já outras nações – as que preferiram se fechar ao comércio internacional, com políticas de substituição de importações -, embora tenham desfrutado de algum crescimento, terminaram por estagnar, presas à baixa produtividade, à ineficiência e a uma concepção de mundo atrasada, esdrúxula, e comprovadamente fracassada.

O século XXI é o século da liberdade – em todas as suas esferas -, da prosperidade e da justiça social. Por isso tudo, devemos agradecer: Obrigado capitalismo, livre mercado, Revolução Industrial e globalização.

Comments

comments

Um comentário em “Um milagre chamado globalização

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *